Porque está a megaprodução de Bollywood em Portugal envolta em tanto secretismo?

0
80

Bollywood apaixonou-se por Portugal e está de volta para rodar um grande filme. A indústria de cinema de língua hindi tem planos para regressar mais vezes no futuro. Sobre o filme do momento, há várias razões para não levantar a ponta do ‘sari’.

Por estes dias, as ruas de Setúbal estão transformadas num cenário de Bollywood. A língua inglesa marca grande parte das conversas, os barulhos vêm de todo o lado, desde rádios intercomunicadores a colunas, com toques de telemóvel a todo o momento. É um vaivém de gente em passo apressado.

Nos passeios opostos aos cenários de gravações estão dezenas de pessoas. Os olhares de curiosidade tomam conta dos habitantes de Setúbal e daqueles que por ali passam e são surpreendidos. Há ruas cortadas, camiões a ocupar praças e passeios, mas tudo por uma causa.

Bollywood está a fazer uma produção em território nacional. As gravações que já passaram por Lisboa e Setúbal, dirigem-se agora para Serra da Estrela, Porto, Coimbra, Sesimbra e Cabo Espichel. Do mar às montanhas, porque Portugal é o país ideal devido à sua diversidade.

A garantia é dada por Dhimant Riada, um dos produtores da All Around the Globe. É indiano, vive em Portugal há 17 anos e é um dos responsáveis pela empresa que foi fundada no Mumbai e tem sede em Lisboa.

Dhimant Riada diz à TSF que “Portugal tem tudo, desde o nível histórico a uma variedade de praias, montanhas, áreas bonitas”. “Podemos filmar em muitos sítios diferentes num único país”, o que tem levado Bollywood a apostar nestas paragens. No entanto, desta vez trata-se de uma grande produção, um filme que promete dar que falar.

É um filme “cheio de ação” onde “todas estas cenas são gravadas em Portugal”, o que se torna “único, tanto para a produção de um filme de Bollywood como para o cinema em Portugal”.

No entanto, pouco se sabe do filme além da existência de muitas filmagens em território nacional. Secretismo é a palavra de ordem. O nome do filme é desconhecido, bem como a história e até os atores. No meio da conversa com a TSF, Dhimant Riada só levanta uma pontinha do véu: no filme entram “dois atores muito conhecidos na Índia, sendo que um deles é uma estrela de filmes de Bollywood há 20 anos”.

As fotografias não podem revelar qualquer tipo de ação, as imagens de vídeo são muitíssimo restritas e nas conversas não se deixam escapar pormenores, até porque, o produtor relembra, “há um contrato com um produtor da Índia”. “Não podemos mesmo dar mais informações para que quando as pessoas forem ver o filme haja um efeito ‘uau'”, diz com um sorriso na cara.

E enquanto há muitas perguntas sem resposta, as filmagens prosseguem para outros pontos do país e Dhimant Riada deixa uma brincadeira em jeito de esperança. Portugal “pode até, quem sabe, tornar-se o centro de Bollywood”.

Setúbal recebeu Bollywood de braços abertos

Margarida Fernandes estava de passagem no centro da cidade, veio beber um café e estava a apreciar o que se estava a passar mesmo ali ao lado. “Há sempre uma curiosidade normal”, admite. Para chegar, foi “mais complicado do que o normal, foi preciso dar umas voltas”, até porque grande parte das ruas estão fechadas, algumas até a tapar o comércio.

“Mas isso tudo faz parte e temos de levar as coisas com boa vontade, é importante dar a conhecer a cidade”, explicou, mostrando que os habitantes estão disponíveis para eventos deste género por serem bons para Setúbal.

Já Maria José está encostada a um carro, de braços cruzados, a ver o que se está a passar, e diz à TSF que estes eventos não trazem só coisas boas. “Eu trabalho aí no comércio e as ruas estão fechadas”. “Mas é um mal menor”, atira logo de seguida, recordando que a divulgação que traz para a cidade é importante, tal como o “ambiente” que este tipo de iniciativas arrasta consigo.

O apoio dos habitantes tem sido fundamental e é um dos pontos sublinhados por Dhimant Riada, tendo em conta o carinho com que as equipas das filmagens e atores têm sido recebidos nos diversos locais do país, sempre com “simpatia”.