A Câmara Municipal de Setúbal aprovou ontem, em reunião pública, o envio à Assembleia Municipal de Setúbal da proposta de reconhecimento do interesse público municipal da instalação do parque temático Wake Park na Herdade de Santas.

A autarquia remeteu, a 14 de novembro, um parecer à ERRALVT – Entidade Regional da Reserva Agrícola de Lisboa e Vale do Tejo no qual manifesta o interesse público pelo desenvolvimento das atividades propostas pelo Wake Park para a economia local e para a promoção da prática desportiva.

No entanto, a ERRALVT considera que o parecer da autarquia deve ser acompanhado de uma declaração emitida pela Assembleia Municipal de Setúbal a comprovar que o projeto é considerado de interesse público municipal.

O Wake Park, projeto promovido pela Mir Veika, consiste na instalação de um parque temático, numa área total de 269.400 metros quadrados, dos quais 169 mil destinam-se a infraestruturas de lazer, que têm como tema principal a realização de atividades aquáticas, com especial relevância para o wakeboard.

O equipamento contempla, igualmente, circuitos desportivos para acolher atividades de escalada, slide, skate, kartings elétricos, BMX e paintball e um parque infantil, além da oferta de bungalows para estadias, área reservada a autocaravanas e um espaço de restauração.

Os restantes cerca de 100.000 metros quadrados ficam “afetos à conservação da natureza e biodiversidade, numa zona lagunar de reserva a renaturalizar para a preservação da fauna e flora local”, indica a deliberação camarária.

A Mir Veika escolheu Setúbal para realizar este investimento devido à procura potencial e às condições proporcionadas pela Herdade de Santas, naturais e de inserção urbana, adequadas à instalação do parque, designadamente, morfologia do terreno, disponibilidade de água, boas ligações rodoviárias e proximidade de outros equipamentos.

A deliberação sublinha, igualmente, “a visão relacional de bem-estar, estruturada a partir da mútua interação da natureza, do desporto e da cultura”, proporcionada pelo projeto do Wake Park.

As intervenções previstas caracterizam-se pela sustentabilidade da utilização dos recursos, “pela criação de ofertas geracionalmente integradas e culturalmente adequadas de recreação e lazer, pelo desenho de espaços multifuncionais facilitadores de relacionamentos comunitários e pela promoção direta e indireta da atividade económica local”, sublinha a proposta aprovada.

No concelho de Setúbal e na região “não existe um espaço com estas características, totalmente vocacionado para o lazer e práticas desportivas, nas vertentes náutica e terrestre, e acolhendo ainda a vertente turística segundo uma abordagem de sustentabilidade, em linha com os valores da marca turística Destino Portugal que se pretende desenvolver no país”.

A autarquia considera que o projeto terá impactes positivos significativos a nível socioeconómico, na criação de postos de trabalho, na dinamização do comércio local e da oferta turística e na promoção da prática desportiva junto da população setubalense.

Nestes termos, o município tem vindo a acompanhar o desenvolvimento do projeto, através de diversas reuniões de trabalho com o promotor, nas quais se exigiu ao promotor a realização de todos os estudos e projetos necessários para atestar a viabilidade do investimento, designadamente o estudo de implantação do empreendimento, o estudo de viabilidade económica e o estudo de impacte ambiental.

O projeto do Wake Park, em processo de licenciamento, tem acolhimento no modelo territorial definido na revisão do PDM de Setúbal, cuja proposta de plano foi apresentada e avaliada pela Comissão Consultiva, no âmbito da conferência procedimental realizada a 28 de junho de 2019.