Simplex”, ópera cómica multimédia interativa sobre os desafios trazidos pela tecnologia numa aldeia do interior do país, numa interpretação do Quarteto Contratempus, pode ser vista hoje, 19 de setembro, no Fórum Municipal Luísa Todi.

Vila Velha do Pinheiro é uma recôndita povoação do interior de Portugal como tantas outras até que Arnold B. Jobs, engenheiro norte-americano proveniente de Silicon Valley, Califórnia, se rendeu aos seus encantos e ali se fixa, tentando introduzir tecnologia em tudo.

Mas a influência do empreendedor americano não tardou a fazer-se sentir no quotidiano desta vila calma e carregada de rusticidade.

A forma como a tecnologia retira as pessoas, sobretudo os mais velhos, da sua zona de conforto é, por isso, um dos temas centrais do espetáculo de dia 19, com início às 21h30.

Ao contrário dos munícipes, o presidente da Junta de Freguesia de Vila Velha do Pinheiro, Amadeu Sobral, recebe de braços abertos B. Jobs, o qual nomeia seu conselheiro com o objetivo de transformar a localidade na “capital da tecnologia”, através do Simplex.

Tudo muda quando a repórter francesa Geneviève chega à vila para dar conta dos métodos revolucionários que ali estão a ser implementados.

Simplex, ópera cómica, multimédia e interativa, criada a partir de um projeto de ilustração que será animado e mapeado em cena, é encenada por António Durães. Tem música de Telmo Marques e libreto de Carlos Tê e José Topa.

A interpretação está a cargo do Quarteto Contratempus, formado por Teresa Nunes, soprano, Miguel Leitão, tenor, Crispim Luz, clarinetista, Sérgio de A, pianista, e Susana Lima, violoncelista.

O Quarteto Contratempus, fundado em 2008 no âmbito académico, é um grupo de música de câmara contemporânea, que se dedica à produção de óperas de câmara em língua portuguesa. Está sediado no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto.

Já o título da peça é uma referência à conhecida plataforma do Governo português, lançada em 2006 no âmbito de uma estratégica de modernização administrativa transversal a todos os serviços do Estado.

O espetáculo tem bilhetes à venda no Fórum Municipal Luísa Todi e na Bilheteira Online, com um custo de 15 euros para a plateia e de 12,5 euros para o balcão.